quinta-feira, 20 de junho de 2013

Coletânea de poemas inspirados em manifestações circula pela internet.

O poeta britânico T. S. Eliot (1888-1965) afirmava que “toda verdadeira poesia é uma visão de mundo”. Por meio da produção intelectual, são expressadas as ideias, os pensamentos e sentimentos de uma geração. A premissa é bastante verdadeira no caso dos protestos por todo o Brasil contra o aumento das tarifas de ônibus (e outras reivindicações). Muito além dos cartazes segurados por manifestantes com frases de efeito, um grupo de pessoas publicou na internet a coletânea de 75 poemas Vinagre - Uma antologia de poetas neobarracos.

O título faz referência à coerção da Polícia Militar de São Paulo contra os jovens que levaram o líquido para os protestos a fim de amenizar o efeito das bombas de gás lacrimogêneo. No prefácio da “antologia”, o grupo afirma ser aquele um trabalho coletivo criado como um “gesto público de solidariedade a todos os movimentos que acontecem simultaneamente no Brasil (e também no mundo)”.  Entre os temas mais recorrentes, estão política, mobilidade, violência.

Se a palavra de ordem é protestar por meio da poesia urbana, o recifense Miró da Muribeca antecipa que nesta  quinta-feira (20) vai participar das manifestações pelas ruas da cidade acompanhado de outros poetas. Os recitais não têm hora nem lugar marcado; podem acontecer nas praças, nos bares ou em meio aos gritos dos manifestantes.

“A Copa do Mundo foi fundamental para o povo questionar porque tem dinheiro para fazer estádio mas falta para saúde e educação. A passagem de ônibus foi só um puxão para a gente acordar e tomar atitude diante do desamparo. A poesia é fundamental para se colocar”.

Para o poeta, o movimento que ocorre em todo o Brasil é bom, mas deveria rever ter outra postura. “A força da palavra é grande. Não é pra ninguém praticar vandalismo, quebrar tudo,  dessa forma ninguém sai ganhando. O maior objetivo deve ser buscar o melhor para o povo”, completa Miró.
Leia AQUI o e-Book com os poemas